setembro 02, 2006

Capa

Dedicatória

Ao meu pai Oscar (e a todos da família, e a todas...), pela evolução.
A João Guimarães Rosa, por me reluminar de que o sertão somos nós.

Ao Flamengo (e ao geral do futebol), por me ensinar que jogo é jogo.

Apresentação

Implícito, nos contos, o prazeroso exercício de contar o fato mais corriqueiro da forma a mais interessante possível...
Creio que todas as histórias são inesquecíveis, transcendentais: depende de como, ou quando, ou quanto (o que é, de novo, como...) é contada.
Em suma, são contos...
O primeiro é
Maria-voa!... Num mini-conto, a jovem que supera a mediocridade num relembrado vôo, mais físico que simbólico...
O segundo é
Jogo de Estréia... Num diálogo (comprido e leve quanto) de uma só falante, a experiência do novo e do muito, a criança na multidão...
O terceiro é
Grã Decisão: Viradas... Num texto “que emula Guimarães Rosa”, um (re?)sentido depoimento “sobre um embate afetivo-familiar entre América e Flamengo” (no dizer do “Prosa & Verso”, de O Globo). O conto é um dos ganhadores do Concurso Contos do Rio 2006 – Futebol. Aqui, com mínimas mudanças, para ajeitar e/ou corrigir o publicado.

Agradecimentos

Aos que com quem reavivei, revi, revivi, em mim e em volta, a prosa, a prosódia, a proposição de Rosa, o Guimarães, esse um outro João: ao mestre Vieira, um leonardo que se foi; à almaranhense Helena Galiza (e Raimunda, a quituteira); à camaleomênica Ana Cláudia; ao montamentes Cristiano; à acoelhente Laís; à Márcia, estrada a fora, e à “wanadoo” Lígia.
E, além: aos que carregam seu nome e sentimento, que sertão assim não tem fim; aos que fecharam as metas, aos que deram os passes e aos que marcaram os tentos...

Às Fornaciari:

a graciosa Maria, a criativa Mariana,
a generosa Márcia Hortência (e seus garotos),
por histórias e afetos...

Maria-voa!

- Um metro, cinquenta e um e meio. 
- E meio?... Você faz questão deste “meio”?... Por quê?... Não quer assumir que é baixinha?...
- Eu não!... É só questão de justiça. Não me incomoda, não... Se eu não fosse pequena, não voava...
- Voava?... Ah, você voa?... Já voou... Por acaso, você é bruxa?...
- Já voei... Podem não acreditar... Foi num jogo de futebol, no Maracanã. Jogo da seleção. Muita gente... Mais do que nos jogos de clube que eu tinha ido. Fui com um antigo namorado. Na rampa, um congestionamento de gente... Alguma passagem, parece que estava fechada, sei lá... Foi apertando... Meu namorado atrás de mim, um amigo nosso à frente. É, tem muita mão-boba nessas horas... Devagarinho, a multidão se moveu. Começou uma espécie de uivo, baixinho. O pessoal zoando... Crescia o som junto com o movimento. Quando vi, estava sendo transportada pela massa, em direção ao acesso à arquibancada. E não conseguia botar os pés no chão!... Tentava, mas não conseguia... Só aterrizei na arquibancada, quando já se via o campo lá embaixo. Esse tempo todo, estava voando... Foi incrível... Alguma de vocês, por acaso, já voou?...
- Maria, que história mais boba...

- É, pode ser... Mas, acontece que eu voei... Vocês, que são grandes, não...

Jogo de Estréia

(...) - Mariana. (...) - Sete, faço oito mês que vem. (...) - Fluminense, né, páie?...
- Opáie, seu amigo vai ao jogo? (...) - Eu vou! (...) - Maracanã!
(...) - Gosto! Acho bonito. É da cultura da gente.
(...) - Eu jogo! Na escola. (...) - Atacante. (...) - Gosto de fazer gol, ué?... (...) - Ah, um de bicicleta. A goleira me empurrou, eu caí de costas... Puxei a bola por cima de mim...
(...) - Não. Os dois têm jeito, meninos e meninas. Depende da pessoa. (...) - Eu sempre digo: ficam três marcando! Mas vai todo mundo junto atrás da bola... Tem que organizar.
(...) - De goleira, também. Que sou alta... (...) - Ah, não. Se me jogasse na bola, quebrava um braço por jogo.
- Vem com a gente!... (...) - Tá, tchau!
---
- Esse ônibus tá muito cheio, páie! (...) - Que bagunça, essa torcida...
- Páie, eles tão gritando palavrão! (...) - Não gosto, não...
- Falta muito pra chegar? (...) - Vou tampar o ouvido.
- Páie, ainda tou ouvindo... (...) - Chegamos?... Até que enfim! (...) - Páie, se é pra xingar, eu não torço não...
---
(...) - Cachorro-quente! (...) - Suco de quê? (...) - Goiaba é o que eu gosto mais.
- Páie, cabe todo mundo lá?... (...) - É, é um portão grande... (...) - Caramba, que rampa! Não sei se ‘güento chegar lá em cima não...
- Por aqui, chega no campo?... (...) - Ah, arquibancada... Quê que é...?... Puxa, é alto, aqui. O campo é lá longe... É verdinho, né?...
- O jogo, demora a começar?... (...)
- Páie, eu queria um sorvete... (...) - De chocolate!
---
- Páie, quê que foi? (...) - Ah, é mesmo! Olha lá o Fluminense! (...) - Tô gostando! O que eu mais gosto é cor. (...) - Bandeira, uniforme... (...) - Uniforme é bonito. Preto e branco é que não combina... (...) - Não. Uniforme de Vasco e Botafogo é bonito. (...) - Vermelho e preto, combina! É Flamengo, mas combina... (...) - Combina: vermelho e verde! (...) - Grená? Quê que é grená?... (...) - Ah!, grená e verde! (...) - O da seleção brasileira. Também é bonito.
---
- Páie, pra quê que eles tão gritando?... Nem começou o jogo... (...) - Pois eu só vou torcer na hora do jogo!
- Páie! Eles tão xingando! (...) - E esse barulho todo não atrapalha os jogadores? (...) - E por que todo o mundo tem um radinho? Não tão vendo o jogo?... (...) - É chato, esse barulho, páie. Bate tambor o tempo todo aquele ali, ó...
- Páie, pede a ele lá... (...) - Você podia... (...) - Ah, tá...
---
- Páie, vam’bora?... (...) - É que não dá pra ver direito!
- Páie, manda o moço parar de tocar o tambor! (...) - Mas, eu quero!... (...) - Que barulhão!
- Moço, pára de tocar esse tambor! Ei, moço!... Ele não pára, páie...
- Páie, eles tão xingando de novo! Diz pra parar...
- Páie, você também tá gritando palavrão... (...) - Não! Quero ir embora! (...) - Eu quero ir! (...) – Choro, sim! Eu quero ir embora...
...
(...) - Mas, páie, quinze minutos é pouco?... Você queria ver mais?... Eu vi muito... Teve uma hora lá que quase fizeram um gol... (...) - Não, páie, eu gostei. É legal. Tem empolgação... (...) - Eu até queria ficar...
---
- Esse ônibus tá vazio, né, páie?... Quieto...
- Páie, sabe duma coisa?... Gostei do Maracanã. (...) - Sério, páie!
---
- Páie, quando tiver outro jogo... Você me leva?...

Grã Decisão: Viradas

- Gol nada... É de lei. Tempo jogado: quem não faz, leva. Se arrebentou o América, danado. O diabo esfregava o olho e o Evaristo, o tal do..., ciscou – imagine, quarentetrês, segundo tempo –, sentou o pé, fora da área. Pompéia, contido no susto, atrasou o voo do Constellation, o desespero no braço esticado. Um a zero: chorado, mas foi... Não me dissera isso meu pai, do Flamengo ganhar... Dos pintos, tá bem, o primeiro milho: deve ter dito...
Lembro não. Nem do jogo. Li no jornal, há pouco. Sô sabe, escasseiam os detalhes da mente. Cinquenta anos agora, 1956 foi ano marcante mermo... Rosa até desabrochou, já li demais... Digo: sabia não, essa da final de 55 em 56... Vinha desd’Agosto, exagero de campeonato esticado, só ‘cabou em Abril. Três turnos e melhor de três. E o Flamengo na ganância do tri. Promessa de beira de caixão... Sério! Há pouco morria, em decisiva cesta vitoriosa de basquete, Gilberto Cardoso, o presidente. É... Paixão faz mal ao coração...
O tri do Fla, era treta?... Por meu pai morriam espetados no tridente. Achei que sim: endiabrado, o América. Me catequizava, nada esportivo, meu pai... Ganhei escudim. De alfinete grosso, pontudo, podia fazer furo no peito... Pai me espetava na camisa, jeitoso. Redondim, o escudim, o do América: farol vermelho, risco branco à volta, sigla AFC ajeitada dentro, letras retas mesmo nas curvas. Ah, ô... O do Flamengo, não. Travoso, ponta de faca afinando pra baixo, faixa preta e vermelha, e outra e outra, como se não parasse... No canto do canto um CRF engrunhado, pontas das letras entortadas pra dentro. Sincero? Uma angústia...
O segundo jogo? Domingo seguinte. Tempo, de algum jeito, passou no meio... Ouvi no paralelepípedo da rua, vizinho botava o rádio na porta. “Será diferente, pai?”... Olha só a virada! Acertaram em cheio: deram de cinco! Sô, cinco a um, num é muito?... Americão tinhoso, galhardo mermo!... Cinco... Cinco anos, eu... Ah, há cinquenta... Se fiquei contente?... Lembro não. Se era América? Era?... É... Não de todo... Até não era. Meu pai me fazia ser.
Podia ser outra coisa... Lembro de raiva escondida. Penso no corte. Corte de cabelo, o senhor sabe, um topetinho. Cabeça raspada, o tufo de cabelo no cocuruto. Hoje, tanto faz. Pra mim, era castigo. Ranzinzice de pai velho, a cara amarrada... Eu? Quinto filho. Descrevo, se sei: olho vivo, dois dentões na frente, calção de elástico, camisa de botão e bolsinho, muito antes da camiseta... Os irmãos, nenhum americano. Escapuliram... Meu pai? Calça de pano riscado a giz, camisa apertada, mão calosa... Motorista. Caminhão. Diabos!... Cinco a um. Os cinco gols, cada atacante carcou, manos, um: Canário, pianim, pisando leve; Romeiro, chegado nas graças; Leônidas, bom cabeceador, o que chamavam da Selva – não aquele da Silva, fera dos anos 40 –; Alarcón, azougue, de dez nas costas; e Ferreira, que batia forte.
Já era, o Fla?... Ou viraria o demo o Mengo, um demo crasso?... A final: quarta à noite. Não sei se ouvi, sei o que leio... No Fla, o “ténico” (a fala do meu pai...) Fleitas Solich, bruxo paraguaio autêntico, diz a Dida: "tu vás a jugar mañana". No gol, Chamorro ladrando a bola. Repete a defesa à direita, o cangaceiro Tomires e Pavão, espécie de lotação, sem pena. Entra Servílio, pra garantir pelo alto, e continua Jordan, no lado sinistro. A ponta extremada de Joel pra lá, a formiguinha recuada de Zagalo pra cá. Dequinha e Duca costurando pelo meio, o pivô Evaristo no miolo. E, então, à frente, Dida, de dez.
No América, dez é Alarcón, que azucrina. Só que Tomires, aos dezoito, indo com fome na bola – havia, no Flamengo, um pacto? – atomiza o tornozelo dele. Mário Vianna apita a falta: mas, que adianta pro América?... Inferno é onde o diabo cai: manquitola Alarcón, sai de campo aos trinta e poucos. É 4 x 1 no final. O Maracanã, cruel, ulula...
Outra virada! No futebol até Deus se aparvalha. Dado o dado, Dida vira o dito o cujo, do qual se ditam, por décadas, dicas? Deu o quê?... Que quê baixou no baixinho das Alagoas?... Dida, mal sabendo de si, se desembesta, o súbito. Dos gols, três dele. O outro quase, contra. E pronto: cai de quatro o América. Rubro de raiva, o Mequinha ainda viceja.
Pacto, se se preza, transpassa. Na noite, caminhos abertos, uniformes suados de bandeiras da vitória, a cambada do Fla (benquista, diga-se) ruma a Botafogo. Perdem uns a cabeça, pulam do cemitério (São João Batista acata) o muro, jogadores deixam no túmulo do antecipado morto, presidente de coração fanático, arre!, as faixas de tricampeão.
O coração é vermelho, o mundo não... Não para de cambiar de cor, nem quando o sol se põe, um vermelhão... Rosa também, pintando o branco das nuvens. Negro, o que do outro lado se levanta. Daí, nuances, misturas, viradas... Decisão, pro mundo, pros tempos, é que: ser tão, tão vasto, é bom! (Ah, quê? Por que conto assim, por quê?... Homenagem a troar na cachola: o pai, o Guima e o espírito Mengo!... Essas coisas... Bizarrias.)
Manhãzinha, a cidade boba, dia doradim, Rio esbaldado, entendo melhor as viradas novas, até aprendo... Meu pai? Viajou, acho... Demorô... Eu queria saber: se o América é diabo, Flamengo é deus?... Lhe confesso, pergunto agora. Quando, então, não sabia. Foi decepção, nomeio assim?... Sei que: aos cinco anos, não se tem fé. Eu teria que ter?...
Meu pai quieto. Lembro que falei “Flamengo ganha...”. Cuidadoso, desenterrei do peito o escudim. Vermelho, devolvi. Não esqueceu, jamais, sempre dizia até se ir... Eu, se tanto mudei, por certo, também não esqueci: sigo flamengo.
No final, bem dissera o... , ele: “Existe é homem humano. Travessia.”

Contracapa

Este livri “comemora” a publicação, nesta data, do conto
Grã Decisão: Viradas

no caderno “Prosa & Verso”, de O Globo, como um dos vencedores do concurso Contos do Rio 2006.

É forma de dar acesso ao texto aos que não tiveram chance de ler o jornal.
Ano de Copa do Mundo, o futebol esteve em alta, exceto na Seleção Brasileira...
O segundo conto, Jogo de Estréia, foi escrito para um concurso sobre o tema, do jornal O Estado de São Paulo, mas sob outra forma, dadas as limitações das regras, e daí, talvez, vou acreditar, não ter sido premiado...
O primeiro, Maria-voa!, é o terceiro na ordem da escrita. Fruto de um pedido repentino, complementa, assim pequenino, este livri... No entanto, espero que concordem, com a qualidade de essência que só pequenos frascos (e, na esfera humana, os baixinhos) conseguem ter.
Em suma, diria o..., ele: é tudo sertão.
Sertão é que nem futebol: é travessia...

Extra

Flamengo, tricampeão carioca no campeonato de 1955:

Os jogadores da decisão:
Pavão, Chamorro, Tomires, Dequinha, Servílio, Jordan,
Evaristo, Joel, Duca, Dida e Zagalo.
.
    



>>> Circulação livri

Para ter parte (ou o todo) deste livri, use o recurso “copiar” e salve no seu computador.
A versão impressa poderá ser obtida clicando no ícone “impressora”.

LIVRI
O livro livre na Internet

(clique com o lado direito do mouse e escolha "abrir nova janela")
o primeiro livri, fotos e textos;
um poema-romance, em fotos e textos;
um passeio premiado pelo bairro mais charmoso do Rio;
incluindo o finalista do Contos do Rio/Prosa & Verso/O Globo, 2006;
incluindo o 5o. lugar no
XVI Concurso Nacional de Contos José Cândido de Carvalho, 2006;
com o conto vencedor do
Concurso Literário Teixeira e Souza (Cabo Frio-RJ, 2007).
a história do projeto de livro, fotos & textos;
8 > Esses Sexos...
para os que gostam de sexo e também para os que praticam.---

Outras publicações na Internet >


1 > Vida Lida o que leio da vida e o que lêem de mim

2 > A série A História bem na Foto,
com fotos e depoimentos
de grandes fotojornalistas brasileiros.


3 >
A Foto Histórica
(e suas histórias) no Brasil

Projeto contemplado com o
Prêmio Funarte Marc Ferrez de Fotografia - 2010

---

E as publicações em livro:

apresentando o livro "Apoena – o homem que enxerga longe

2 > Rio de Amores
livro de contos com dois bons e justos motivos:
o
amor
e o Rio de Janeiro


3 > O Jogo do Resta Um
Romance sócio-antropológico
quase histórico, pouco político,
meio filosófico, muito econômico

E, a partir de 2013, pela

4 > "2112 ...é o fim!"
O Brasil caindo nos crônicos contos de um futuro mal passado...    
(uma versão enxuta de Rio de Amores)
Reminiscências e elucubrações sobre a arte e a prática do fotojornalismo

Obra disponível nos termos das diretrizes da licença 2.5 – Brasil de Creative Commons.

>>> Avaliação livri

Como todos sabemos (ou não?...), não é fácil publicar.
Este livri, de certa maneira, se filia a uma velha tradição, a das publicações independentes, simbolizada, para as últimas gerações, pelo já histórico mimeógrafo.
Sendo o meio, agora, meio eletrônico, meio artesanal, caso o caro (caríssimo!...) leitor tenha dado valor a este trabalho e queira dar uma nota (talvez de um a dez, que zero deduz-se...), basta fazer a gentileza de clicar alguns botões (mas, creia, preferiria encontrá-lo pessoalmente...) para depositá-la na conta...
...Avaliação esta, que perdeu o sentido, na prática.
Grato.